BANCO DE CÓRNEAS

BANCO DE TECIDO OCULAR HUMANO

O Banco de Tecido Ocular Humano (BTOH) passou a agregar a estrutura do Banco de Tecidos Músculoesqueletico. Desta forma, o Hospital São Vicente de Paulo é o único no sul do país, que em uma mesma área física, trabalha e processa dois tipos de tecidos para transplante.

No Banco de Tecido Ocular Humano são realizados os serviços de triagem clínica e sorológica dos potenciais doadores de tecido ocular, enucleação – retirada do globo ocular - processamento, avaliação e distribuição da córnea para transplante, garantindo a conservação e a qualidade do tecido para disponibilizá-lo à realização de cirurgia oftalmológica. Os transplantes obedecem à ordem da lista de espera da Central de Transplantes do Estado.

A autorização para o funcionamento do BTOH foi oficializada a partir da publicação no Diário Oficial da União da Portaria nº 109 de 9 de fevereiro de 2012, do Ministério da Saúde.

ARMAZENAMENTO E CAPTAÇÕES

O globo ocular doado é avaliado em lâmpada de fenda. A separação e o processamento da córnea são realizados em capela de fluxo laminar e acondicionada em líquido de preservação onde é feita nova avaliação microscópica e armazenada em refrigerador com controle de temperatura mantendo-a entre 2 a 8°C, por um período de 14 dias. Antes da distribuição para transplante a córnea passa por nova avaliação em lâmpada de fenda.

Com o funcionamento do BTOH é possível realizar ações voltadas à doação de córneas nos hospitais da região e, principalmente, os pertencentes à área de abrangência da Organização de Procura de Órgãos e Tecidos (OPO-4). As córneas que antes eram encaminhadas para Caxias do Sul ou Porto Alegre para serem processadas, agora podem ser encaminhadas para o HSVP, visto que a distância e o tempo de transporte são reduzidos, resultando numa melhor qualidade do tecido a ser transplantado.