Notcias

Notcias

Qual é o tamanho do amor?

04/07/2019

Nos 101 anos de história do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP), de Passo Fundo, muitas histórias de luta e superação, são contadas diariamente. Desta vez, a psicóloga responsável pela área materno infantil do hospital, Débora Marchetti, compartilha a história da Mirian, Giulia Martina e do Ismael, uma família que tem muito a ensinar sobre resiliência e amor!

Confira o relato:
“Difícil responder, afinal, o amor pode ser medido? Essa pergunta remete a um livro intitulado “Adivinha Quanto Eu Te Amo” do escritor Sam McBratney. Sam conta a história de dois coelhos, Coelho Pai e Coelhinho, que disputam através de diferentes medidas, formas para quantificar o quanto eles se amam. Existem várias maneiras de amar, contudo, a que acompanho e provoca muitas emoções é o amor dos pais para com seus filhos. Já fiz parte de muitas histórias, já acompanhei muitos desses amores. Com eles vivi suas dores, tristezas, desesperos, ansiedades, medos, expectativas, esperanças... Sim, todas estas e outras tantas, emoções e sentimentos um filho pode provocar.

Giulia Martina é uma dessas filhas, que antes mesmo de existir, já era amada e desejada. Contudo, a gestação da mãe Mirian Bervian Richter, não aconteceu como o esperado desde o início. Para Giulia Martina seguir se desenvolvendo Mirian precisou fazer repouso absoluto em casa desde a 10ª semana de gestação, em função de sangramento, pois, poderia sofrer um aborto. As semanas seguiram e, no morfológico descobriu que o colo do útero estava aberto e com dilatação, Giulia Martina poderia nascer a qualquer momento. Por essa gravidade e risco, Mirian internou na Maternidade do Hospital São Vicente de Paulo e com fé, apoio do marido Ismael Richter, de amigos e familiares, do acompanhamento da Médica Ginecologista e Obstetra Hellen Jeanine Portelinha, Médica Pediatra Neonatologista Jaqueline Cabeda, da Equipe de Enfermagem, dos diversos profissionais da Copa, Higienização, Nutrição, Psicologia, Guardas, Recepção, Fisioterapia e, principalmente, por amor a todos os sonhos e planos em que Giulia Martina dia a dia ajudava a construir, Mirian permanecia resistente na indicação médica de repouso absoluto, que significava: ficar restrita ao leito. Dias, semanas e meses passaram... Mirian sabia que esse tempo representava a conquista no desenvolvimento e possibilidade de vida para Giulia Martina. Mirian e Ismael mudaram suas vidas, a casa se tornou o ambiente hospitalar, porém, cada pessoa que entrava no quarto 441B, se deparava com um casal que, mesmo compreendendo os riscos de um parto antecipado, se permitia viver e sentir o amor. O amor deve ser isso: abdicar para conquistar e transformar. Giulia Martina transformou não apenas os pais, mas, os amigos, familiares, a equipe que se envolveu no cuidado e a todos, que de uma forma ou outra acompanhavam com expectativa o desenrolar da gestação. Qual o tamanho do amor? Não tem medida quando se trata de um amor que transborda.

Giulia Martina, com sua vida, contou a história de outras tantas. Giulia Martina representa as várias crianças que lutam por suas próprias vidas, que entre o medo e a esperança, o futuro pode ser incerto. Ismael e Mirian retratam o amor sentido na dor e na alegria de vários outros pais e casais que esperam também para contar a biografia dos seus filhos.

Caminhando pelo corredor da Maternidade lembro-me do final da história do livro “Coelho Pai diz ao seu Coelhinho: Eu te amo daqui até a lua... Ida e volta! ” Penso que é um amor imensurável esse! Tanto quanto os 120 dias de internação e o tempo todo dessa vida que Giulia Martina, Ismael e Mirian terão pela frente! ”

Fotos: Giulia nasceu no dia 28 de junho no Centro Obstétrico do HSVP/ Foto Cíntia Moraes

Galeria de fotos